Etapa 10 – revivendo o Caminho Sanabrês

Colocado em 18 de Junho, 2016 | 0 comentários

O Caminho que nos esperava hoje de manhã já era nosso conhecido. Em 2012 tivemos a oportunidade de fazer a Via de la Plata e com o congestionamento que o Caminho Francês tem nos meses quentes, na altura optámos pela variante que segue pelo Caminho Sanabrês a partir de Granja de Moreruela. Esta foi, por isso, a nossa opção para este ano.
Como de costume, o despertar foi às 5h da manhã, para dar o tempo necessário para toda a logística de colocar os nossos pertences na mochila e de preparação das bicicletas.
Alguma dúvida na saída de Zamora, mas a sinalização na primeira rotunda após a cidade orientou-nos na direção certa.
Um percurso bastante rolante, com algumas descidas repletas de adrenalina e com subidas também a condizer, para contrariar o acumulado negativo.
Um pouco antes de Granja de Moreruela fazemos uma paragem estratégica numa estação de serviço da autoestrada que tem acesso para o Caminho. Aí conhecemos três veteranos dos Caminhos de Santiago que estão a fazer a Via de la Plata (um alemão, um australiano e um austríaco).
Em Granja de Moreruela fizemos a paragem obrigatória para a fotografia no ponto de bifurcação do Caminho. É nesta altura que os nossos amigos portugueses, que estão a fazer a Via de la Plata e com quem nos cruzámos ontem no albergue, chegam também à bifurcação. Feitas as fotos e despedidas, seguimos em direção ao Sanabrês e eles ao Francês.
Uns minutos depois surge Jordi, um espanhol de Barcelona que está a fazer a Via de la Plata em bicicleta e que vai seguir o mesmo itinerário que nós. Iremos encontrar-nos mais tarde em Santa Croya de Tera.
Novamente, à custa da construção do caminho de ferro, o Caminho vai sendo desviado do seu percurso original para fazer uso dos viadutos que passam por cima da linha. Com todos esses desvios e variações em relação ao track que levávamos, acabámos por somar mais 6 quilómetros à nossa etapa, fazendo assim um total de 93 quilómetros.
A marcação do Caminho nesta zona está muito completa. Ainda assim há alguma ambiguidade em alguns pontos que nos levam por dois caminhos diferentes sem que se perceba muito bem a diferença.
Passámos a ponte sobre o rio Esla, onde o Caminho segue por um trilho terrível para bicicleta (subir rocha e percorrer um carreiro junto ao rio com lama e juncos) que, seguindo a regra de “Caminho é Caminho”, fizemos em 2012. Este ano, como já conhecemos esse pedaço, pudemos dar-nos ao luxo de seguir pela alternativa para bicicletas, seguindo pelo alcatrão.
Fizemos mais tarde uma paragem em Tábara para um repasto do costume e descansar um pouco antes de fazermos os últimos 21 quilómetros que nos restavam. A umas dezenas de metros de nós avistamos um peregrino pelo qual já tínhamos passado antes. Viemos a saber mais tarde, quando o encontrámos de novo em Santa Croya de Tera, que é um peregrino francês que caminha há 11 semanas desde Paris pelos mais diversos Caminhos de Santiago, fazendo uma série de ligações entre eles até ao momento. A extensão e o tempo que já caminhou é por si só impressionante, mas foi a forma ligeira como caminha, mesmo com um mochilão às costas, que mais impressionou.
Depois de duas subidas maia agrestes, chegou finalmente a descida até Santa Croya de Tera. Avistamos o albergue de hoje, que é paragem obrigatória no Caminho Sanabrês: a Casa Anita. Um albergue super simpático, muito bem equipado é com gente do mais simpático que há.
A Anita não estava hoje no albergue para nos receber  mas a sua irmã Conchi herdou a mesma simpatia e espírito divertido.
Depois de todo o ritual de banho, roupa e bicicletas resolvido, fomos à procura de uma padaria que nos indicaram. Não foi fácil encontrá-la, mas ainda fomos a tempo de conseguir trazer do melhor pão que comemos até agora. Depois de mais uma paragem no talho para comprar cecina e na mercearia para comprar fruta, o pequeno almoço e o almoço de amanhã ficaram resolvidos.
O jantar não podia deixar de ser tomado no albergue. A ementa promete e o aspeto das sobremesas deixa antever um fim de refeição em grande.
O Jordi juntou-se a nós para o jantar (optou por ficar no albergue municipal da próxima aldeia, a 1 quilómetro de aqui) e aproveitámos para conversar um pouco sobre o Caminho e as opções para as próximas etapas. É agradável reviver a experiência de conversar com outros peregrinos, coisa que no Levante aconteceu poicas vezes pela ausência de peregrinos.
Amanhã temos uma bela subida constante até Puebla de Sanabria, aproximando-nos aos poucos do ponto mais elevado do Caminho. Há portanto que repousar as pernas que vão ser muito requisitadas amanhã.

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

image

Deixe um Comentário